Fórmula 1

Fórmula 1 – Inglaterra X Alemanha – Uma guerra que não terminou

Inimigos nos campos de batalha da Segunda Guerra, rivais europeus travam um longo duelo no ranking de títulos do Mundial de Fórmula 1

Autor: Daniel Dias (www.diasaovolante.com)
Fotos: Divulgação

Fórmula 1 : o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, e o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari
8/05/2017, 23:16:03

Protagonistas das páginas mais sangrentas da Segunda Guerra Mundial, hoje a Inglaterra e a Alemanha alimentam suas velhas rivalidades nas pistas de corridas. Na Fórmula 1, os dois países travam uma dura batalha pelo primeiro lugar no ranking de títulos de pilotos.
No ano passado, Nico Rosberg Rosberg colocou novamente os germânicos na ponta, com o 12° campeonato, um a mais que os corredores da ilha britânica, computando apenas os pilotos ingleses, sem entrar aí outros campeões do Reino Unido, os da Escócia – Jim Clark e Jackie Stewart. Logo atrás dessa briga pela ponta, o Brasil ocupa a terceira posição, com oito conquistas, três de Ayrton Senna e Nelson Piquet e outras duas de Emerson Fittipaldi.
No anunciado duelo antes do início da temporada de 2016 da Fórmula 1 como o possível desempate na rixa dos dois países europeus, entre o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, e o alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, quem acabou roubando a cena foi o outro representante da Flecha de Prata, o alemão Rosberg.
Mas a história de títulos de corredores germânicos é bem recente no campeonato oficial da Fórmula 1, iniciado em 1950. Enquanto o primeiro triunfo da Inglaterra veio em 58, com Mike Hawthorn, a primeira conquista alemã só viria em 94, com Michael Schumacher. A meteórica ascensão da Alemanha, porém, foi embalada por dois verdadeiros colecionadores de títulos seguidos, com Schumacher vencendo de 2000 a 2004, somando aos seus outros dois campeonatos de 94 e 95, e com os quatro consecutivos de Vettel, de 2010 a 2013.
Berço do automobilismo, a Terra da Rainha se vê novamente na disputa neste ano, outra vez com Hamilton e, agora sim, efetivamente contra Vettel, o atual líder do campeonato, 13 pontos à frente do rival inglês após quatro etapas disputadas – Austrália, China, Bahrein e Rússia. Apesar da vitória na corrida anterior, em Sochi, é pouco provável que Valtteri Bottas vá estragar a peleja de Inglaterra x Alemanha, assim como o outro finlandês, Kimi Raikkonen, da Ferrari, não parece ter forças para entrar na briga pelo título neste ano. O Brasil está longe dessa luta e apenas assiste a tudo de cadeirinha, com o veterano Felipe Massa e seu carro da Williams muito aquém da concorrência.
Então, a coroa da temporada deve ficar mesmo entre Vettel e Hamilton. E aí surgiu um enorme ponto de interrogação depois da apagadíssima atuação do inglês no GP da Rússia, há pouco mais de uma semana. O tricampeão (2008, 2014 e 2015) esteve tão irreconhecível no circuito de Sochi que acendeu uma luz de alerta no box da Mercedes e em seu poderoso comandante, o austríaco Toto Wolff.
Às vésperas do começo da fase europeia do Mundial, no próximo domingo, na Espanha, Wolff tenta encontrar explicações para a aparente apatia de seu primeiro piloto e, ao mesmo tempo, procura blindar sua estrela. Se o caso for simplesmente de falta de motivação, estará sendo observado o pior dos mundos para um piloto de F-1. Se, por outro lado, Hamilton estiver novamente reconhecendo a superioridade do carro da Ferrari, fato que ele mesmo chamou à atenção durante a pré-temporada, seria igualmente grave, pois soaria como a famosa “atirada de toalha ao chão“.
A bola está, portanto, com o próprio Hamilton, que precisa reagir neste domingo. Já! Ele não pode deixar para mais tarde. Na sua blindagem ao tricampeão, Wolff preferiu colocar a “culpa” pelo mau desempenho do inglês na Rússia na máquina: “não demos um carro suficientemente bom para o Lewis em Sochi, mas a Mercedes tem todas as condições para dar o melhor para ele em Barcelona“. Pode até ser verdade! No entanto, o companheiro Bottas ganhou na Rússia com o mesmo carro…
Quem deseja ver a continuação da guerra entre Inglaterra e Alemanha, felizmente agora só nas pistas da Fórmula 1, torce para que Wolff tenha razão. Ou restará assistir um desfile de Vettel nesse ano e ver os germânicos dispararem na frente na disputa entre os dois países…

Confira a página de “Dias ao Volante.Carros” no Facebook, em www.facebook.com/DiasaoVolante.Carros

COMENTÁRIOS