Fórmula-1

Fórmula-1 – Hamilton volta a ser Hamilton

Piloto da Mercedes consegue superar Vettel e se esgota fisicamente. Mas, na batalha espanhola, a ajuda de seu companheiro foi decisiva

Autor: Daniel Dias (www.diasaovolante.com)
Fotos: Divulgação

16/05/2017, 1:07:38

Lewis Hamilton não poderia deixar para amanhã. Apontado em todas as famosas casas de apostas de sua terra como o maior favorito para a conquista do Mundial de Fórmula-1 antes do começo da temporada, o inglês Lewis Hamilton sucumbiu na quarta etapa, no GP da Rússia, há duas semanas, demonstrando uma inexplicável apatia.
Enquanto isto, via o maior rival pelo título, Sebastian Vettel, da Ferrari, sedimentar a liderança na tabela de pontuação, ao mesmo tempo em que o seu companheiro de Mercedes, Valtteri Bottas, chegava a sua primeira vitória, deixando o tricampeão em segundo plano.
Com o início da fase europeia, na Espanha, no ultimo domingo, Hamilton precisava reagir. Conseguiu! Mas foi muito difícil! E não custou barato, especialmente para o lado físico e seu próprio ego, pois na hora da verdade, teve de contar com a ajuda do companheiro.
Vettel e Ferrari formam na atualidade uma dupla em completa sintonia. Tudo flui para os lados de Maranello. Para combater esse dueto gigantesco, Hamilton teve de lançar mão de todos os recursos técnicos de pilotagem e esgotar por completo suas reservas físicas, como ele mesmo admitiu depois da etapa de Barcelona, em Montmeló.
Não sobrou nada! Ainda na primeira metade da prova, a voz ofegante vinda pelo rádio de sua Mercedes, durante as conversas com a equipe, já denunciavam suas precárias condições. No final, na sala pré-pódio, aonde os pilotos se recuperam das agruras da corrida e se preparam para a premiação, Hamilton estava “destruído”.
As imagens que registravam a conversa do inglês com Vettel, segundo colocado na prova de domingo, foram imediatamente confundidas e interpretadas pela estrela global na transmissão da TV da Fórmula-1 e levadas para o telespectador como verdade. Para o narrador misto de jornalista e contador de histórias, Hamilton não queria saber das palavras que estava sendo ditas pelo alemão da Ferrari para o quase choque de ambos na luta pelo primeiro lugar da corrida. Na realidade, Hamilton estava extenuado fisicamente. Poucos segundo antes, os dois pilotos riram e conversaram sobre a disputa sem qualquer problema ou atrito. No entanto, essa parte não interessava ao narrador, que estava mais preocupado com a versão do que pelo fato em si.
Se tivesse existido alguma queixa naquele momento, seria de Vettel. Na primeira luta direta de Mercedes e Ferrari na pista neste em 2017, Bottas “jogou” descaradamente para ajudar o companheiro. Provavelmente orientado pelo box, o finlandês do carro 77 abdicou de suas chances na prova e permaneceu à frente de Vettel – que havia feito o pit stop naquela hora – para frear o ritmo do piloto da Ferrari. Bottas passou então a andar de dois a três segundos mais lento em um circuito que não oferece pontos de ultrapassagem. Quando Vettel finalmente consegui superar o finlandês, a diferença para Hamilton foi engolida, definindo o vendedor. Mais tarde, o inglês, com pneus mais rápidos, passou o alemão, que queimara sua “gordura” no enfrentamento com Bottas.
O que o segundo piloto da Mercedes fez foi ilegal? Não! Mas foi imoral! Entretanto, o mais importante da prova foi o renascimento do piloto inglês, para esquentar um campeonato como há muito não se via na Fórmula-1.

Confira a página de “Dias ao Volante.Carros” no Facebook, em www.facebook.com/DiasaoVolante.Carros

COMENTÁRIOS